Você está aqui:Home»Blog»Anne Frank
Existe ligação entre uma garota judia alemã, que foi vítima do Holocausto, e estudantes de escolas públicas brasileiras? Há quem diga que não tem nada a ver. Afirmo que tem. E muito. Anne Frank era uma adolescente como tantas outras, até que os nazistas decretaram que judeus, negros, homossexuais e ciganos não mereciam viver por serem inferiores e por conspurcar a raça humana. Os arianos, os que pertenciam à raça pura, comandariam o mundo. Por conta destes descalabros, a menina e sua família viveram num esconderijo durante cerca de dois anos em Amsterdam. Anne ficou famosa por ter escrito um Diário enquanto esteve prisioneira sem ter cometido crime algum. Quase no final da Guerra, um delator revelou o esconderijo. Anne morreu com 15 anos, em fevereiro de 1945, no campo de concentração de Bergen-Belsen. Seu pai sobreviveu e publicou seu Diário há 65 anos. É um relato singelo da história da vida de Anne naquele período. Mostra sua esperança de viver dias melhores e sua inabalável crença na bondade humana, apesar de tudo... Mais de trinta milhões de leitores em todo o mundo já se comoveram com essa obra, que é considerada um dos mais importantes documentos de vítimas do nazismo. O Brasil tem cinco escolas públicas com o nome de Anne Frank. Não deve ser à toa que brasileiros, podendo homenagear qualquer pessoa do mundo, escolhem Anne Frank. Recentemente, as cinco diretoras dessas escolas foram convidadas pela Confederação Israelita Brasileira a viajar para a Holanda e conhecer o esconderijo, onde hoje funciona o Museu Anne Frank. Foi firmada uma parceria pedagógica entre o Museu e a Secretaria de Educação de SP. A partir de 2013, em 500 escolas brasileiras, adolescentes irão estudar a história de Anne e todo o contexto da II Guerra Mundial em relação a valores como a tolerância e o respeito às diferenças. Identificarão o que há em comum entre as ideias nazistas e horrores que alguns conhecem bem de perto, como o bullying, racismo, perseguição religiosa, intimidações de traficantes de drogas e o preconceito contra a opção sexual de cada um. Há quem se preocupe com a Educação no nosso país!
Lido 1167 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Comente e Compartilhe

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*).

Newsletter

Receba as atualização do site por e-mail.

Os + Lidos

Facebook